Capa

FASP - Asfalto Campeonato Paulista de Automobilismo

F-1: nova largada para aumentar a segurança

Alambrados, barreiras de proteção, área de brita e santantônio são itens que serão reavaliados

05.07.2022  |  82 visualizações

Uma nova onda de reformas e adaptações dos circuitos usados pela Fórmula 1 deverá marcar o cenário da categoria nos próximos dois anos. O foco dessas alterações é evitar a repetição do desenlace do acidente espetacular ocorrido no início do GP da Grã-Bretanha (foto de abertura, Curva3-Jorge Sá), domingo, em Silverstone, prova que marcou a primeira pole position e a primeira vitória do espanhol Carlos Sainz Jr.

O mexicano Sérgio Pérez ficou em segundo e o inglês Lewis Hamilton surpreendeu ao terminar em terceiro. Charles Leclerc ficou em quarto e Max Verstappen foi sétimo. No campeonato o holandês segue liderando, com 181 pontos e está à frente de Pérez (147), Leclerc (138) e Sainz (127). Entre os construtores a Red Bull já soma 228, contra 265 da Ferrari e 204 da Mercedes.

Logo após a largada o francês Pierre Gasly tentou ultrapassar George Russell (que estava à direita) e Guaniy Zhou, mas um toque com o carro do piloto inglês iniciou uma reação em cadeia onde o chinês capotou e ao ser contido por uma cerca de proteção ficou encaixado entre essa barreira e o guard-rail da curva Copse.

Alex Albon foi atingido por outros carros e bateu contra o muro do bom. Assim como Guanyu Zhou não sofreu ferimentos (Curva3/Jorge Sá)

Na tentativa de evitar os carros que já haviam batido outros pilotos acabaram envolvidos em novos choques, sendo que Alex Albon foi o mais atingido. A corrida foi reiniciada cerca de uma hora mais tarde, tempo suficiente para a polícia local conter a invasão de pista perpetrada por um grupo que protestava contra o evento e a poluição ambiental.

Acidente na largada foi o primeiro abandono de Russell na temporada (Curva3/Jorge Sá)

Regularmente a F-1 experimente ondas de melhorias em aspectos mais variados. O mais impactante e constante é o desempenho aerodinâmico dos carros, seguido pelas tecnologias e soluções adotadas dos chassis, unidades de potência e pneus. Se tais processos acontecem regular e incessantemente aqueles relacionados com a segurança os processos têm uma dinâmica própria: existe a necessidade de pesquisas mais controladas e suas respectivas validações. Quando ocorre algo como o que se viu em Silverstone no domingo, porém, essa atividade ganha atenção e um ritmo mais forte.

Na sequência de fotos de Jorge Sá (Revista Curva3) a dinâmica do acidenteatingido pela traseira do carro de Russell, o monoposto de Zhou decolaSem contato com o solo, o carro ganha altura e inicia o capotamento.Sem contato com o solo, o carro ganha altura e inicia o capotamento.atingido pela traseira do carro de Russell, o monoposto de Zhou decola.Na sequência de fotos de Jorge Sá (Revista Curva3) a dinâmica do acidente

Um dos motivos para acelerar esse processo de proteção aos pilotos é justamente o modo como o carro de Guanyu Zhou foi imobilizado. Tal qual uma carta é inserida em um envelope, o monoposto ficou embalado pela grade proteção e pelas barreiras que ali estavam para amortecer choques e batidas. Daí a dificuldade em resgatar o piloto chinês, operação que levou um tempo próximo a uma hora. Tal cenário é inédito na F-1 moderna, razão extra para ser estudado mais profundamente.

O carro de Zhou perde um pneu após o toque com RussellNovo toque contra o carro de Russell e o carro inicia quedaNotam-se pedaços de carroceria e asas espalhandos pela pista

Para além do reforço nas telas de proteção – que cumpriram seu papel e evitaram que o monoposto atingisse os espectadores que estavam na arquibancada daquele trecho -o espaço entre elas e as barreiras de contenção será alterado, o que implica em novos investimentos nos autódromos.

Lewis Hamilton escapou por pouco de ser atingido pelo carro de Guaniy ZhouO aerofólio traseiro e a camâra de TV ganham contato com o asfaltoA célula de combustível resistiu ao impacto e evitou um incêndio

Da mesma forma, as áreas de brita serão reavaliadas: as irregularidades do terreno encobertas pelas pedras acabaram causando o efeito catapulta que fez o carro perder contato com o solo e decolar. É normal que a área gramada ou de escape de qualquer autódromo seja irregular, algo que deverá ser levado em consideração nos próximos estudos sobre circuitos.

Com relação aos carros espera-se algum tipo de alteração nos arcos de proteção, o conhecido santantonio. Ao contrário do que sempre foi padrão para carros do tipo fórmula, alguns carros da F-1 usam uma coluna central que faz as vezes do arco e dá apoio à câmera de TV.

Esse desenho é adotado no Alfa Romeo de Zhou e em chassis de algumas equipes rivais.  Vale lembrar que entre os melhoramentos adotados mais recentemente, o Halo mais uma vez comprovou sua razão de existir: não fosse esse arco em torno do cockpit, o capacete de Guanyu Zhou é que teria servido de apoio contra o asfalto e a área de brita.

O resultado completo do GP da Grã-Bretanha você encontra clicando aqui.

Siga-nos no Instagram.

Leia também...
09.08.2022

Disputa entre Alpine e Oscar Piastri pode estabelecer jurisprudência

02.08.2022

Verstappen vence mais uma. Porsche, Vettel e Alonso movimentam o mercado de trabalho

27.07.2022

Evento em setembro serve de preparação para pista ituana

26.07.2022

Campeão Verstappen também cometeu vários erros mesmo após vencer seu primeiro GP